Refletir sobre o trabalho de Guita Soifer é se envolver no seu procedimento como artista.
Nao se pode deixar de lado, toda a inquietação que faz parte do seu processo.
inquietação aliada a um fazer compulsivo, de um viver com extrema intensidade o ato de gravar.
Nesse estado de agitação é que se concentra sua forca expressiva, que se espalha sobre a superfície das matrizes e assume qualquer risco.
O que resulta é o transparecer da sua própria “superfície interior” através da luz que permeia a paisagem.

Rosane Schlogel